A DICE está lentamente transformando o CTE em um QA terceirizado


Com o Battlefield 1, a DICE fez grandes mudanças em como os mapas, armas e modos de jogo são lançados para quem possui o Season Pass. Uma mudança que afeta os jogadores que participam do Teste da Comunidade (CTE) e aqueles que não participam.

Nos jogos anteriores da série, a DICE tinha um sistema simples de DLCs. Pague 100 reais pelo Season Pass (Premium) e tenha acesso a todas as expansões uma ou duas semanas antecipadamente. E após isso, as expansões eram lançadas separadamente por 25 reais. Cada DLC trazia novas armas, modos de jogo e quatro ou mais mapas novos.

A diferença crucial é que cada expansão era lançada com todo seu conteúdo. Você tinha acesso a tudo que pagou no mesmo dia, sendo Premium ou não. Foi assim em Battlefield 3, Battlefield 4, e até mesmo em Star Wars: Battlefront. Mas algo mudou em Battlefield 1.

Após o lançamento de Battlefield 1, a DICE percebeu que para manter uma demanda de conteúdo contínua, deveria lançar partes do conteúdo das expansões antecipadamente. Podendo ser um mapa por mês, ou dois mapas um mês antes da data oficial.

Então, no dia do lançamento, os jogadores tem acesso a tudo que foi prometido, geralmente os dois mapas restantes e o que sobrou de armas e modos de jogo que ainda não haviam sido liberados, estranho, não é?


A cada dia que passa, o estado dos mapas e armas das expansões lançadas no CTE fica cada vez mais duvidoso. Semana passada a DICE postou duas versões antecipadas dos mapas da próxima expansão, Turning Tides. E quando falo antecipada, significa que várias texturas ainda nem foram feitas. Isso é algo que não vemos em jogos terminados. Geralmente são mantidos nos vídeos por trás das cenas.

Lançar uma versão tão antecipada, em um estado tão duvidoso, é uma atrocidade. É claro que essa não é a primeira vez que o CTE testa tais coisa, como as iterações dos mapas. Em Battlefield 3 tivemos a mesma coisa com o Mapa da Comunidade. Ele foi lançado alguns meses depois como Operação Outbreak, após mudar várias vezes durante o desenvolvimento. Os jogadores puderam ver suas opiniões em tempo real se tornarem realidade, cada vez uma versão mais polida do mapa era lançado no CTE.

A diferença óbvia aqui é que a DICE fez isso em Battlefield 4 com um mapa gratuito, algo extra anunciado somente após o Programa Premium das expansões de BF4 ter finalizado. A DICE estava na obrigação de adicionar conteúdo novo para o que era para ser um jogo de dois anos. Surgiu uma nova luz no jogo, uma que a comunidade acolheu com braços abertos, a mesma comunidade que foi castigada pelo terrível lançamento de Battlefield 4. O mesmo projeto também trouxe novas armas ao jogo, outra boa resposta dos desenvolvedores.


O que acontecer no Battlefield 1, é que, basicamente, a DICE está 'contratando' os seus fãs mais fieis, aqueles que gastam mais dinheiro, para testar os novos conteúdos pagos.

O conceito de CTE não é exclusivo, é claro. Muitos grandes jogos hoje em dia tem algum servidor de testes. Quando a ideia foi implementada em Battlefield 4, a intenção era ser um lugar onde os desenvolvedores podiam testar grandes mudanças que podiam, potencialmente quebrar o jogo ou atrapalhar sua estabilidade.

Algo como mudanças drásticas nas armas, resolver bugs dos mapas, modificar acessórios, e a famosa revisão total do netcode. E isso acontece também em Battlefield 1, como estamos vendo, o projeto para equilibrar as armas, e a adição de Especializações.

Não há como negar que o CTE ajuda o jogo, mas está vagarosamente mudando para um caro teste pay-to-win, ao invés de uma linha de comunicação aberta com os jogadores.

Você pode argumentar que se você não quiser ter acesso ao conteúdo antecipado, basta ignorar e esperar até ser lançado nos servidores oficiais. Isso é verdade, é claro, até você perceber que a DICE está escalando cada vez mais. O que começou apenas com um mapa gratuito agora está focado nas expansões. E o que começou como uma oportunidade para fazer pequenos ajustes agora são conteúdos inacabados.

Outra coisa que também vale notar são os lançamentos das expansões, antigamente costumava ser um grande evento. Poucos vídeos e informações gerais eram divulgadas tão abertamente e tão longe de serem lançadas. Não que fosse segredo, mas os conteúdos, como mapas e armas eram uma surpresa, digamos assim. Os jogadores mal podiam ver a hora de jogar e testar todas coisas novas que estavam disponíveis.

Agora a DICE descarrega no CTE parte das expansões de acesso antecipado, sem texturas, com animações inacabadas, isso tudo para os jogadores testarem. E cada vez mais versões antecipadas de mapas e armas.

Os lançamentos das expansões pararam de significar alguma coisa quando a maioria do seu conteúdo já estava disponíveis há meses atrás no CTE. Não imagino que quem joga no CTE regularmente possa ter entusiasmo quando as coisas que eles ajudaram a testar finalmente ficam disponíveis em servidores ao vivo.

Não somos a equipe de garantia de qualidade da DICE, uma coisa é testar mapas já finalizados, e ajudar a corrigir erros e até ajudar a testar mudanças significativas no jogo. Ter acesso a mapas sem texturas e totalmente inacabados, apenas para ter a justificativa de que o recebeu antes do lançamento, isso é algo diferente.

Fonte: vg247.com

Para mais informações sobre Battlefield 1 e outros jogos da série fique ligado no nosso site e nas redes sociais.


Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.