Header Ad Widget

O que queremos ver em um título Battlefield: Bad Company 3



Recentemente, houve um forte rumor sobre o desenvolvimento de um título Battlefield: Bad Company 3, animando muitos fãs da série que amaram os títulos anteriores de Bad Company.

Associando esses rumores com os pedidos de fãs e o momento propício para o lançamento de um título tão pedido, faz-nos acreditar cada vez mais em seu desenvolvimento. Mas, é claro, não queremos uma exata cópia de Battlefield: Bad Comapny 2, queremos manter alguns elementos essenciais, mas também melhorar algumas (poucas) características que não eram tão legais no Bad Company 2.


Essência Bad Company

A primeira questão a ser levantada aqui neste artigo não poderia ser outra, a essência Bad Company, aquilo que diferenciava de outros títulos da série. Tanto Bad Company como Bad Company 2 contavam com personagens carismáticos, o que conquistou os jogadores. A campanha era muito satisfatória em vários aspectos e os personagens lhe envolviam de tal forma que você sempre queria continuar..

Os diálogos no multiplayer também eram bem legais (mesmo os russos que a gente não entendia nada rs), assim como as skins. Sem falar nas skins especiais que foram lançadas logo depois, que diferenciava um pouco das originais. Mas os detalhes com as skins paravam por aí, não haviam inúmeras skins e era todo o conjunto de todos os personagens quando adquiridas com um DLC.

Então essa essência Bad Company é algo que a DICE deveria manter em um Bad Company 3, caso contrário o próximo título poderá ser até um ótimo jogo, mas não será um Bad Company de verdade.


Destruição do cenário

Ah, nada mais satisfatório do que colocar praticamente tudo abaixo num cenário Battlefield. Isso era possível em Bad Comapany 2, graças ao seu sistema de destruição onde quase todas estruturas podiam ser destruídas completamente.

Essa característica marcou o jogo e até hoje nenhum jogo da série conseguiu superar Bad Company 2, neste quesito. Mesmo com todo poder gráfico que temos hoje, criar um jogo estável e manter uma grande escala de destruição não foi possível, mas Bad Company 2 conseguiu isso na época.

Essa é uma característica que, com certeza, deveria estar em Bad Company 3.

Efeito sonoro

Para que um jogo de guerra se torne o mais imersível possível, além de elementos gráficos, o efeito sonoro é crucial. Em Bad Company 2 os sons das armas, das bombas, das explosões e até das estruturas se desfazendo eram minunciosamente bem elaborados e satisfatórios.



Claro, os jogos que surgiram após Bad Company 2 também possuem uma boa qualidade no efeito sonoro, mas por algum motivo o som em Bad Company 2 era diferente e isso fazia você se sentir mais envolvido na batalha.

Esperamos que a DICE consiga trazer essa qualidade sonora para um novo Bad Company.


Pronação

Está aí uma característica que fez muita falta no Bad Company 2. Não era possível deitar e se rastejar no jogo, apenas era permitido agachar. Não sabemos o motivo da DICE não ter implementado essa característica básica no jogo, mas foi algo que os jogadores sentiram muita falta.

Claro, isso pode ser facilmente resolvido, portanto, esperamos que em Bad Company 3 seja possível deitar e se rastejar como em outros jogos da série.

Aviões

Uma outra característica de Bad Company 2 era a não disponibilidade de aviões. No jogo era possível apenas pilotar helicópteros, que por sinal era muito divertido. Talvez pelo tamanho dos mapas em sua maioria, que não eram tão grandes e tenha motivado a DICE a não adicionar aviões.

Com uma boa adaptação, sem perder a qualidade padrão dos mapas, acreditamos ser possível a implementação de aviões e helicópteros em um Bad Company 3. Isso com certeza deixaria o jogo bem mais completo.


Derrubar helicópteros não era tão simples

Como dito acima, Bad Company 2 não contava com aviões de ataque, que derrubariam facilmente os helicópteros, o que dificultava um pouco (eu disse, um pouco) derrubar alvos aéreos. Isso porque os helicópteros são bem mais lentos do que caças, então o jogador só precisava de um pouco de treino e pegar o tempo do veículo e da distância para acertar o alvo.

No jogo não havia bazucas com misseis guiados, para que isso fosse possível era necessário o jogador primeiro acertar um tracer marcando o alvo, que durava pouco tempo e poderia ser evitado com fumaça, para que o míssil fosse guiado até o alvo. Fora isso, o jogador deveria contar com sua habilidade individual, mas também contava com uma bazuca muito querida, a Carl Gustav (também conhecida no jogo como "Carlão", rsrs). Com ela você poderia controlar o míssil e o guiava até o alvo.

Pilotos habilidosos nos famosos Black Hawks do jogo faziam um bom estrago, principalmente se tivesse dois tripulantes habilidosos controlando suas duas M134 Minigun e se o inimigo não tivesse ninguém habilidoso para derrubá-los. Era possível realizar manobras e muitas vezes se esquivar de tiros vindos de bazucas. Os tanques eram fortes ameças para esses helicópteros.

Essas características poderiam ser mantidas ou até melhoradas e adaptadas para um novo Bad Company 3, que com certeza tornaria o jogo muito mais divertido.

Claro, existem outras características que não foram discutidas aqui que poderiam estar presentes num próximo título Bad Company, ou que não deveriam ser implementadas, por tanto, sinta-se livre para deixar a sua opinião abaixo e discutir com a comunidade.

Bad Company 2 foi um jogo muito bem desenvolvido, mas muitos outros jogos da série podem ser considerados tão bom quanto, depende muito do gosto pessoal do jogador. O foco aqui foi em o que queríamos ver (e não ver) em um próximo título chamado Battlefield: Bad Company 3 baseando-se no seu antecessor de sucesso.

Comentários

Notícia Anterior Próxima Notícia